Vídeo Richard Armitage

Esse vídeo, ao som de Capital Inicial, eu fiz em 2008, logo depois de conhecer Richard Armitage. Não foi lá muito bem planejado mas acabou que a maior parte das fotos e a transição entre elas casou muito bem com a música. Acabou se tornando meu sucesso no YT com mais de 4500 views hehehehe

Como dizem que relembrar é viver, resolvi postar aqui pra compartilhar com quem acessa o blog.

Aproveito pra divulgar o fórum onde uma galera muito boa se reúne pra falar de filmes, séries, atores e atrizes e de mais um monte de coisa, porque lá a gente pode falar de tudo! É o chacultural.18.forumer.com… Vale muito a pena particiar pois, como eu disse, lá só tem gente boa, que adora compartilhar uma novidade! =)

Anúncios

Dinho pra Eveline

A Tonks, do Blog Romances in Pink, foi a primeira a participar da Campanha “Mande o Dinho pra casa da Eveline”, e pescou algumas fotos da net pra mim.

Como sempre, Dinho está sem camisa ooooooou com a super camisa do AC/DC… ele deve ter coleção dessas, porque no show aqui na minha cidade jogou a dele pro público e sei que essa não foi a primeira nem a última vez que fez isso.

Coleção ele também deve ter das supercamisetas de manga comprida do próprio Capital Inicial porque, a cada show, é mais uma que também vai para o público.

Entendem agora o que queremos dizer com adolescência? Só adolescentes usam bermuda com a roupa de baixo aparecendo… Mas nem posso falar nada, porque ele fica muito bem e faz parte do show… Quem, em sã consciência, pode imaginar um show do Capital sem o vocalista tirando a camiseta em alguma parte???? Não eu, com certeza….

E, nessa última, concorrência de tatuagens? Dinho e Pitty? Claro que fui pesquisar e olha só o que descobri: Pitty e Capital Inicial tocaram no Ceará Music Festival, em outubro do ano passado. E nesse mesmo Festival ainda rolou Fresno, NXZero, Natiruts e Millencolin além da participação do Biquini Cavadão no show do Fresno.

Pra finalizar, ainda tem um wallpaper que a Tonks me mandou. É só clicar nas fotos pra visualisar em tamanho maior ok. Até mais.

***

Dinho Ouro Preto

Bem, já que começamos falando de Capital Inicial e Dinho, inspirações para a minha entrada na blogosfera, vamos começar com o perfil do moço também…
Dinho Ouro Preto, apelido de Fernando Ouro Preto, nasceu em Curitiba, a 27 de abril de 1964. Foi criado em Washington, Viena e Genebra voltando a morar no Brasil aos 16 anos. É filho de diplomata e tataraneto do Visconde de Ouro Preto.
Era a época da ditadura e a tribo punk invadia as ruas de Brasília. Dinho já tocava nesse período e ao terminar o colégio decidiu prestar vestibular pra Sociologia. Tudo isso porque os amigos lhe cobravam um posição política definida.
Fez o vestibular mas, reprovado, desistiu de cursar faculdade e viu a música virar uma necessidade de sobrevivência em sua vida, visto que odiava Brasília. Ironicamente, passou a gostar da cidade e a não querer mais sair de lá.
Dinho ingressou no Capital Inicial aos 19 anos, tendo feito um “estágio” como baixista antes de fazer parte definitivamente do grupo. Nesse meio tempo, seus pais estavam no exterior e só souberam de sua escolha profissional quando a banda já fazia sucesso.
Quando o Capital completou 10 anos de carreira, Dinho deixou a banda, fundando a banda Vertigo, que não foi em frente.
Em 1998 voltou ao Capital, agora já casado e com a filha Giulia nascida. É nesse ano que o Capital grava o disco Atrás dos Olhos, do qual uma das músicas é Giulia, composta pelo cantor em homenagem à filha.
Além de ter lançado o disco Vertigo, em 1994, Dinho também lançou um solo, Dinho Ouro Preto, em 1995.
Em 2009 está com o Capital na turnê Ao Vivo, devendo voltar aos estúdio com a banda em 2010 pra gravar novo disco.
***
Bem, o que posso dizer desse cara que canta pra caramba e tem uma energia louca no palco? Que provavelmente ele ainda não saiu da adolescência? É o que uma amiga me disse, e eu concordo…
Só o vendo no palco pra entender…
E não falo como um insulto ou algo desdenhoso. Acho que muito do encanto e da eletricidade das apresentações do Capital estão nesse resíduo de adolescência do Dinho, que torna tudo muito mais leve e solto.
A gente se solta mesmo, pula, fala palavrão, grita, fica rouco e sai de lá feliz da vida, sabendo que a semana sem poder falar direito vai valer muito a pena!

E não se esqueça, participe da Campanha!