Bristol e Bath – Parte 2

IMG_3137

No primeiro post sobre essas duas cidades eu falei um pouquinho do nosso passeio por Bristol. Agora vou falar da nossa ida para Bath a partir de lá.

Quando chegamos a Bristol usamos o google maps no telefone pra caminhar até o hotel (e foi uma BOA caminhada). Quando fizemos o check-out no dia seguinte, olhamos para o outro lado do rio e o que estava lá? Isso mesmo! A estação de trem, a menos de 500 m da gente! Só nos restava rir mesmo…

A parte triste dessa manhã em Bristol foi a chuva, que não nos deixou passear pela cidade como tínhamos planejado. O jeito foi aproveitar pra dormir um pouco mais, passar no Starbucks pro café da manhã e seguir pra estação.

De Bristol a Bath são cerca de 30 minutos de trem e chegamos lá por volta de meio dia. A chegada pra mim é meio nebulosa… Eu estava tão encantada de estar lá que não consegui registrar muita coisa na memória durante a primeira hora. Mas sei que tratamos de encontrar o Museu da Jane. Esse dia foi realmente muito emocionante!

O Museu tem diversos itens relativos a Jane mas aprendemos que não foi exatamente naquela casa que ela morou e sim em outra duas portas acima ou abaixo, não lembro. Há também uma palestra antes de a visita começar e que foi bem emocionante, onde uma das moças que trabalha no museu conta um pouco sobre a história da Jane e da família dela (mesmo não sabendo muito de inglês consegui entender bem tudo o que ela disse).

Lá também encontramos diversos itens relativos aos filmes e minisséries já produzidos, incluindo fotos autografadas de alguns membros dos elencos.

20131022_114826

Além do museu ainda passamos pelo Royal Crescent, que é lindo demais e impossível não imaginar Anne e Frederick passeando por ali depois do noivado… viagem no tempo! Vê se não dá vontade de rolar nesse gramado?????

20131022_142347

 

20131022_135540

Infelizmente pegamos um dia nublado e até com chuvas esparsas, então nem pudemos aproveitar um parque lindo que tinha por lá… Ah, e foi aí também que provei o famoso pastel da Cornualha pela primeira vez… uma delícia e muito barato!

Se quiserem alguma dica/informações, fiquem a vontade pra perguntar nos comentários.

Anúncios

Torta de Chocolate do Marco Pierre White

Esses dias eu estava assistindo ao programa Masterchef Professionals Australia e em um dos episódios, um desafio de serviço, uma das equipes tinha que preparar uma torta de chocolate cuja receita é do Marco Pierre White, um dos apresentadores do programa e chef super exigente…

Enfim, a torta era tão bonita que fui atrás da receita e achei no site da emissora que transmite o programa na Austrália – http://tenplay.com.au/channel-ten/masterchef/recipes/chocolate-tart. Resolvi publicar a tradução aqui porque algumas amigas e conhecidas pediram a receita: entre parênteses coloco os comentários do que fui pesquisando e adaptando pra fazer com o que temos disponível aqui no Brasil.

Ingredientes:

Massa

Manteiga e farinha de trigo para untar a forma

200g de manteiga: usei sem sal, da marca Frimesa

80g de açúcar de confeiteiro

2 gemas de ovo

300g de farinha de trigo

um pouco de água gelada

Recheio:

350ml de creme engrossado: usei 300ml de creme de leite fresco também encontrado como nata. O thickened cream é um creme típico da culinária australiana mas não encontrei algo que o substituísse completamente por aqui. Assim, na hora de fazer o recheio, usei um truque com maisena que eu conto lá no modo de preparo.

150ml de leite

3 ovos inteiros, levemente batidos

500g de chocolate Valrhona 70% Guanaja: Valrhona é uma marca de chocolate que possui linhas exclusivas pra cozinha. Nunca vi aqui no Brasil e, sem pensar muito, substitui pelo chocolate meio amargo da Nestle.

Decoração:

200g creme (pode ser um creme de leite mais encorpado ou chantili)

100g Valrhona 70% Guanaja, ralado fino (ou qualquer chocolate que possa ser ralado)

 

Modo de Preparo:

Algumas coisas a receita original colocou fora da ordem, como pré-aquecer o forno sendo que você ainda terá que deixar a massa descansar por 1h. Assim, aqui eu reordenei os passos na ordem em que fiz e me pareceu mais adequada:

Massa:

1. Untar a forma com manteiga e farinha e reservar.

2. Na batedeira, bater a manteiga e o açúcar de confeiteiro até ficar pálido e suave (uma dica: deixe a manteiga fora da geladeira por uns 10 minutos – apenas o suficiente pra dar uma leve amolecida, senão fica mais difícil e demorado bater como açúcar).

3. Adicionar as gemas, uma de cada vez, e continuar batendo até ficar homogêneo.

4. Adicione a farinha peneirada e incorpore com os dedos, apenas o suficiente pra misturar tudo. Se for preciso, acrescente um pouco da água gelada (eu usei cerca de 1 xícara de café de água gelada mas agora fico pensando que não foi tão necessário).

5. Coloque a massa numa bancada limpa, junte com cuidado pra fazer uma bola e embrulhe em plástico filme.

6. Deixe descansar por uma hora (por causa da manteiga na massa, acredito que se deixar descansar na geladeira seria melhor, embora a receita não fale onde é pra deixar descansar. Especialmente se estiver muito quente no dia).

7. Estenda e estique a massa o suficiente para cobrir a forma que você irá utilizar (eu usei uma de 24cm). Não esqueça de esticar um pouco a mais pra poder cobrir as bordas também (a minha massa eu não consegui esticar com o rolo e tive que apertar com os dedos direto na assadeira mesmo. Acho que foi porque deixei descansar fora da geladeira e ela ficou meio que desmanchando quando eu tentava esticar…).

8. Leve para congelar (essa eu também não entendi, mas coloquei no congelador mesmo assim. A minha ficou lá por cerca de 30 min porque eu estava fazendo outras coisas também, mas acho que menos que isso é suficiente. É só checar e ver se a massa endureceu.

9. Leve para assar no forno pré-aquecido a 200º por 15 minutos (nesse ponto, a receita fala para fazer o que chamam de blind baking, ou seja, assar apenas a massa sem o recheio. Ela cita também uns tais “baking beans” que nada mais são do que esferas de cerâmica pra você colocar sobre a massa assim ela não estufa. Eu forrei a massa com papel alumínio e usei feijão preto mesmo rs).

10. Retire os “baking beans” e asse por mais 10 minutos, reduzindo a temperatura do forno a 160º (depois de tirar os feijões, eu chequei a massa e ela estufou mesmo assim. Aí fiz um furinhos discretos com uma faca e tudo se resolveu).

11. Reserve a forma com a massa já assada e vamos ao recheio!

Recheio

1. Coloque a nata e o leite em uma panela e deixe ferver. Despeje com cuidado sobre os ovos levemente batidos e misture para incorporar (aqui eu acho que se passar os ovos numa peneira antes irá facilitar a mistura de tudo).

2. Quebre o chocolate em pedaços pequenos e despeje a mistura em cima.

3. Com uma espátula de borracha trabalhe a mistura de creme no chocolate até derreter (uma sugestão: coloque a mistura aos poucos sobre o chocolate pois se colocar tudo de uma vez, como eu fiz, fica mais difícil e demorado. Se você notar que o creme está esfriando, faça um banho maria e continue trabalhando o chocolate com o creme na vasilha dentro desse banho maria, apenas o suficiente pra continuar incorporando mesmo).

4. Passo meu: como eu fiquei com medo de o creme não encorpar o suficiente, eu dissolvi duas colheres de sopa de maisena em uma porção do creme e coloquei de volta pra misturar ao resto. Acho que ajudou.

5. Coloque o creme de chocolate na forma com a massa já assada, com cuidado para não formar bolhas. Se for necessário agite ou bata no fundo da assadeira para remover qualquer bolha que se forme (a minha ficou com alguma bolhas, não teve jeito… essa técnica ainda não domino).

6. Coloque no forno pré-aquecido (eu liguei o forno na temperatura máxima quando comecei a fazer o creme).

7. Desligue o forno imediatamente e deixe a torta por 25 a 30 minutos, sendo que o calor residual irá assar o creme (eu achei essa parte bizarra mas não é que deu certo? Assim que passou o tempo, o forno já estava mais frio do que quente e eu não acreditei muito, mas aí, depois que a torta esfriou, o creme firmou e a torta ficou maravilhosa).

8. Deixe a torta em uma superfície aquecida até a hora de servir (como não servi toda ela de uma vez, pulei essa parte. Aqui não estava muito calor no dia em que a fiz, então deixei fora da geladeira mesmo. Mas se estiver quente onde você mora, o ideal é guardar na geladeira).

9. O topo da torta deve ser um espelho, sem bolhas (já contei que a minha não ficou assim rs).

10. Para servir, corte uma fatia de torta usando um pano limpo e faca quente para cada corte, a fim de garantir bordas uniformemente cortadas (e não se preocupe pois a massa não gruda na forma de jeito nenhum. Usei uma assadeira de fundo duplo, em teflon, específica pra tortas, da marca Rochedo. Como a receita diz pra deixar numa superfície aquecida antes de servir, eu passei a assadeira levemente em uma das bocas do fogão e acho que isso ajudou).

11. Coloque a fatia em um prato com o creme ou chantili pra acompanhar e polvilhe um pouco de chocolate ralado por cima.

Observações finais: Eu não servi com creme mas tinha um chantili aqui que acabei usando em uma das vezes que comi. Como o chocolate é meio amargo, o chantili dá uma quebrada e equilibra melhor o sabor da torta, então acho que o creme de leite também teria o mesmo efeito.

Fotor0912145810