Casamento na TV

Fazia tempo que eu não via um casamento tão legal na TV brasileira… casamento fictício, diga-se de passagem.

Eu normalmente não assisto novelas, até por incompatibilidade de horários e porque prefiro acompanhar pelas notícias e resumos na internet. Até nisso prefiro ler do que assistir…

E como perdi na TV o último capítulo de Aquele Beijo, corri pro site da Globo pra ver pelo menos este (foi o único capítulo da novela que assisti… rs).

A produção, em especial das cenas do casamento foi espetacular, sem contar a química perfeita entre Giovanna Antoneli e Ricardo Pereira, Cláudia e Vicente. E está claro que um homem desses  é bem improvável de existir no mundo real.

Improvável mas não impossível, esperemos…

Houve o cuidado, inclusive, de produzir um vídeo especial com direito à imagens de “bastidores” do casamento e mensagens dos convidados. Adorei a ideia de um painel personalizado dos noivos pros convidados deixarem sua mensagem diante de uma câmera. Vai pra pastinha de inspirações e de indicação pras amigas casadouras.

Clique aqui para ver o vídeo.

Fotos: Site Globo.com

Vídeo Richard Armitage

Esse vídeo, ao som de Capital Inicial, eu fiz em 2008, logo depois de conhecer Richard Armitage. Não foi lá muito bem planejado mas acabou que a maior parte das fotos e a transição entre elas casou muito bem com a música. Acabou se tornando meu sucesso no YT com mais de 4500 views hehehehe

Como dizem que relembrar é viver, resolvi postar aqui pra compartilhar com quem acessa o blog.

Aproveito pra divulgar o fórum onde uma galera muito boa se reúne pra falar de filmes, séries, atores e atrizes e de mais um monte de coisa, porque lá a gente pode falar de tudo! É o chacultural.18.forumer.com… Vale muito a pena particiar pois, como eu disse, lá só tem gente boa, que adora compartilhar uma novidade! =)

Obra de Monteiro Lobato

Eu sempre gostei muito de Monteiro Lobato. Por volta dos meus 11, 12 anos, comecei a me virar um pouco mais sozinha… Ia para o curso de Inglês, de ônibus, e me virava bem no centro da cidade (que não é uma graaaaaande cidade, rs)… Foi por aí que fiz minha primeira carteira da biblioteca municipal.

E que paraíso não se abriu ali para mim! Eram apenas duas grandes estantes, recobertas de cima a baixo por livros, livros e mais livros. No começo, minha busca era na gaveta de títulos… Isso mesmo! Eu tinha que consultar as fichinhas, de forma aleatória, e só pelo título decidir que livro levaria para casa.

A biblioteca...

Depois, com o tempo, peguei amizade com as bibliotecárias (sim, sou dessas!) e logo elas me deixavam entrar para além do balcão e explorar as prateleiras. Ficava muito tempo ali, olhando capas, lendo contracapas e tentando decidir quais seriam os dois livros da semana.

Imagem

Uma das capas da Editora Brasiliense, disponível na Biblioteca que eu frequentava.

E foi ali que eu conheci o Sítio do Pica-Pau Amarelo. Até hoje não sei muito bem o que tanto me fascinou naquelas histórias: se foi a forma espontânea da Emília (e pra mim foi tão natural uma boneca de pano começar a falar…) ou então como a mitologia (e sempre fui muito fã de mitologia, tanto grega quanto egípcia) aparecia de forma divertida nas histórias, mas o fato é que Monteiro Lobato me conquistou logo em Reinações de Narizinho e depois não consegui mais largar seus livros.

E qual não foi minha surpresa, então, quando o Submarino fez uma promoção de livros na semana retrasada e eu, fuçando, encontrei duas preciosidades! Dois boxes com as histórias do Sítio do Pica-Pau Amarelo, da Editora Globo, com novas ilustrações e diagramação um pouco diferente. E os dois estavam pela metade do preço!

Os boxes!

 

Claro que corri pra comprar e fiquei super feliz quando vi a caixona chegando lá em casa. Agora é só esperar o mestrado terminar pra devorar isso tudinho de novo. E sabe o que é melhor? Com sabor de infância!