Chris Eccleston

Photobucket

Eu já falei que gosto demais do Doctor interpretado pelo Chris? Bem, se não falei, agora estou falando! A-DO-RO o Doctor que o Chris criou e fico só imaginando o que ele teria feito com o personagem se não tivesse saído tão cedo da série.

Photobucket

Seriam tantas possibilidades não?

Photobucket

Talvez David Tennant nem tivesse se tornado Doctor ou, se ainda assim ele se tornasse Doctor, hoje ainda estaria no seriado. Talvez Rose não saído tão cedo ou de forma tão dramática e, quem sabe, Martha Jones nem existisse (quem não gosta dela fica quieto e guarda o sorrisinho maldoso de triunfo tá!).

Photobucket

“Se…” é um dos exercícios mais interessantes de se fazer, principalmente quando falamos de Dr. Who.

Photobucket

Se Chris não tivesse saído quem garante que o Doctor teria se apaixonado pela Rose e vice-versa?

Photobucket

Talvez até tivesse acontecido, mas acabaria não sendo tão intenso quanto foi com o Doctor do Tennant.

Photobucket

Enfim, são muitas possibilidades, e o que me levou a escrever esse post foi a enquete aí do lado: por que? por que? por que o Tennat tá ganhando??????

Photobucket

Queria tanto que fosse o Chris! 😀

Photobucket

Mas tudo bem, eu reclamo só pelo prazer de reclamar mesmo… hehe

Photobucket

P.S. As imagens foram retiradas do primeiro episódio da primeira temporada.

Aliens of London

Bem, esse episódio e o próximo, World War Three, são duas partes da mesma história. Pedi à Dani, uma de nossas colaboradoras, que fizesse os comentários pra gente colocar aqui. Assim, em azul, teremos os comentários dela e, em preto, como sempre, os meus pitacos.

Ah, e as fotos são tiradas por mim dos episódios. Para ver em tamanho maior é só clicar nelas. Esperamos que gostem!

Rose volta para casa crente que só passaram 12 horas desde a sua ausência, mas para o espanto dela, foram 12 meses e quase matou a mãe de susto!

E a felicidade dela ao voltar? Ainda pensando que ia ser só uma mentirinha pra mãe, ao decidir dizer pra ela que tinha dormido na casa de uma amiga! Moça inocente!

Como eu disse no post anterior, o erro ao cair em Cardiff não foi o primeiro do Doc. Mais uma vez, aqui, ele erra feio no desembarque. E acho muito legal como ele fica preocupado com a Rose quando descobre que errou.

E eu não podia, jamais, deixar de comentar o tapão que a Jackie dá no Doctor! Adoro! Ainda mais por causa da cara que ele e a Rose fazem depois!!!! De dar muitas gargalhadas na frente da tv!

Photobucket

E estando em Londres o problema veio atrás deles, com a queda de uma nave espacial. Eles vão até o local mas está interditado, então a Rose dá a idéia de ir para casa e ver pela tv como todos. O Doctor está super feliz, diz que é o que ele mais gosta, de ver a história acontecendo na frente dele!

O mais engraçado nesse trecho é que a nave cai justamente quando a Rose tá se gabando de ser uma pessoa única na Terra por já ter visto alienígenas e naves espaciais!

E esta foto me lembrou agora um outro evento. Alguém se habilita?

Quando descobrem para onde foi parar o “corpo extraterrestre” o Doctor dá um jeito de ir descobrir algo. Descobre que o corpo é uma falsificação, e vão para o escritório do Primeiro Ministro.


Lá aparecem funcionários do governo de departamentos estranhos, e descobrimos que são os Slitheens disfarçados de humanos, e temos na deputada Harriet Jones uma nova aliada.

Eu confesso que não gosto desses alienígenas. São os que mais me causam repúdio em toda a série e, por isso, acho que a atriz na foto acima é ótima. Soube encarnar muito bem o personagem…

Photobucket

Este episódio foi interessante, principalmente pelo fato da Jackie descobrir o que a Rose estava aprontando, viajando pelas galáxias. A cara que a Jackie faz quando o Doctor chega com a Tardis é impagável! E o episódio termina com todos sendo atacados pelos Slitheens.

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

No próximo post, a parte final desta história!

Photobucket

The Unquiet Dead

The Unquiet Dead, terceiro episódio da primeita temporada tem a participação de ninguém menos do que Charles Dickens!!!!

Uma das coisas mais legais em Doctor Who é esse talento para misturar ficção científica e história, sem contar os erros do Doc não é? É nesse episódio, salvo engano, que é mostrado o primeiro erro dele ao tentar ir para um lugar e cair em outro. E esse “outro” lugar, normalmente, é Cardiff.

Cardiff tem uma participação singular ao longo de toda a série e quando menos se espera, lá está ela aparecendo novamente. Eu diria até que é uma outra personagem, atuando ao lado do Doctor e suas acompanhantes.

Logo no início há uma das primeiras indicações do tamanho real da Tardis já que, como estão indo para o passado, Rose precisa de roupas adequadas. Então o Doctor solta instruções realmente longas de como fazer para chegar no tal armário. Só de ouvir fiquei confusa pois são corredores e curvas que não acabam mais!

E eu simplesmente a-do-ro o Doctor tietando o C. Dickens enquanto estão na carruagem indo atrás da Rose. É demais, porque ele fica realmente encantado ao se dar conta de que está com “O” Charles Dickens! rs

Mas tirando esses detalhes, confesso que é um dos episódios que não me chamaram tanto a atenção em toda a série, tanto que assisti apenas uma vez. Tudo bem, vi umas partes pra esse post, mas só umas partes. Definitivamente não consigo assisti-lo inteiro novamente!

Como sempre, o que mais me chama a atenção são os sorrisos estonteantes do Chris. Sempre que vê alguma coisa legal ou algo está acontecendo ele solta um Fantastic, com aquele sotaque incrível e depois larga um sorrisão daqueles na tela!

Uma das curiosidades desse episódio é que a empregada da funerária é interpretada pela mesma atriz que vem a ser a Gwen, em Torchwood!!!! Demais, embora eu só a tenha reconhecido por causa dos dentes da frente separados! rsrs.. Será que é o charme das personagens ou faltou alguém indicar um dentista?

Impagável também é Rose “abrindo” a mente da empregada para os estudos e conversando sobre garotos com ela. Totalmente adolescente e mulherzinha.

A parte triste desse episódio é o sacrifício de um dos personagens, além de uma faceta do Doctor que ainda vai ser mais explorada no seriado: por não ser humano e ser praticamente imortal, seu código moral não é exatamente igual ao nosso e um de seus primeiros embates com a Rose por causa disso acontecem aqui. Assim, também conseguimos ver um pouco mais da sua personalidade e modo de pensar.

The Face of Boe

The Face of Boe foi um dos personagens mais intrigantes que vi em Doctor Who. De todas as criaturas que já passaram pelo set do seriado ele foi uma das que mais me surpreenderam.

Quem não se surpreenderia com uma cabeçorra numa jarra de vidro entrando na sala? Rose sempre aceitou tudo muito calmamente não?

E isso logo no segundo episódio… Por que nas próximas vezes em que o Doctor o encontra, e serão só três, segundo diz a lenda, tudo fica ainda mais curioso.

The Face of Boe, em um episódio mais adiante, declara ser amigo de longa data do Senhor do Tempo quando todos sabemos, com certeza, que eles não se viram mais do que duas vezes. E quanto todos pensamos que ele se vai de vez, de repente some. E a afirmação de que “The Face” teria milhões de anos de idade?

O Doc, como sempre, discorda, mas fica com a pulga atrás da orelha. E lá, na Terceira Temporada, temos The Face of Boe novamente, em uma revelação surpreendente.


Quem acompanhava episódio a episódio a série, na época, pirou no final desse episódio em particular. Pelo menos foi o que li nos fóruns.

E quem, como eu, assistiu de uma tacada só as quatro temporadas, com certeza não ficou menos maluco, principalmente porque toda a história, a mitologia, os diálogos, estava bem frescos na cabeça.

É claro que não pretendo revelar aqui, não agora, o que é a tal informação bombástica (foi pra mim hehe) simplesmente largada ao final de um episódio, mas ao longo das discussões dos episódios ela com certeza vai aparecer novamente.

Se você ainda não assistiu tudo, não perca tempo! Assista logo porque é bom demais e vale muito a pena.

***

Ah, e olha só que coisa mais fofa eu encontrei nas minhas buscas pela net: The Face of Boe e os Doctors de Chris Eccleston e David Tennat!!!! Eu quero pra mim!!!!!!

Tonight, Tonight

Tonight, Tonight (Smashing Pumkins) / Tradução

Esta Noite, Esta Noite

Tempo nunca é somente tempo
Você nunca conseguirá partir sem deixar uma parte da juventude
E nossas vidas foram mudadas pra sempre
Nunca mais seremos os mesmos
Quanto mais mudamos menos percebemos
Acredite, acredita em mim, acredite
Que a vida muda, que não estás confuso em vão
Não somos os mesmos, somos diferentes esta noite
Esta noite, tão esplêndidaEsta noite
E você sabe que nunca tem certeza
Mas tem certeza que poderias estar certo
Se tivesses te erguido perante a luz
E as fagulhas não se apagam, na sua cidade às margens do lago
O lugar no qual você nasceu
Acredite, acredite em mim, acredite
Na absoluta importância do agora
E se você acreditar não tem jeito esta noite
Esta noite, tão esplêndida
Esta noite
Crucificaremos os hipócritas esta noite
Faremos direito as coisas, tudo sentiremos esta noite
Acharemos um modo de idolatrar a noite esta noite
Os momentos indecritíveis de sua vida esta noite
O impossível é possível esta noite
Acredite em mim, como acredito em você, esta noite

The Verve

Pra começar, uma pesquisa básica sobre a banda, claro. Um viva para a tia Wikipedia e o Lord Google, que salvam a gente nessas horas!

E o que eu descubro? The Verve é britânica! Eu já falei que adoro os britânicos? Pois é, eu adoro… é fato! Os britânicos fazem ótimas produções de época tanto pra tv quanto pra cinema, a Inglaterra tem ótimos atores, embora muitos sejam desconhecidos do grande público e eu mesma só os tenha conhecido através de downloads pela internet e graças à indicações de amigas muito queridas.

Bem, segundo a Tia Wiki, The Verve é inspirada no que se chama britpop ou música popular britânica, seja lá o que isso queira dizer… rs

Gostei muito de Rather Be, indicada pelo Fábio, e tenho ouvido bastante. Agora mesmo ele está me dizendo que é a segunda música de trabalho do novo álbum deles, Forth (2008). Ela tem um balanço legal e o refrão fica na cabeça.

A outra música que ouvi bastante é Sonnet, tão boa quanto Rather Be. Vale mesmo a pena curtir essa banda, que ficou dez anos parada mas agora está de volta, prometendo muitos sucessos!!!